Menu de navegação de página

T e x t o s & T e x t u r a s

A alma da minha casa

 Luiz Carlos Ramos
Com palavras torcidas e roubadas a Manuel de Barros
(Para D. Odete Ramos)
 

Imagem578

Atrás da minha casa de menino o rio fazia curvas, e ainda faz.
Da varanda dos fundos a gente ouvia o coaxar do rio.
Ainda hoje as flores capturam beija-flores e os libertam de beijos.

Quando a rua da minha casa ainda não tinha calçada,
a gente divisava um ombro de barranco
e o escalava pra esticar os horizontes.

Na cozinha, o fogão à lenha estalava o calor do inverno.
A chaleira fazia um  chiado cinza pra ferver a água.

A gente se aninhava ao redor da vitrola
pra escutar estórias amarelas, verdes e azuis.
Escutava e tornava a escutar.
Repetia e repetia e repetia até ficar diferente.

À noite a gente adormecia um canto de ninar materno.

A minha casa de menino tem uma alma
que alguns chamam “Odete”.
Pra mim, o som que ela fazia era “Mãe”,
e ainda faz.

 

Creative Commons License
A alma da minha casa by Luiz Carlos Ramos is licensed under a Creative Commons Atribuição-Uso Não-Comercial-Vedada a Criação de Obras Derivadas 2.5 Brasil License.

Um comentário

  1. Que lindo! A fotografia da D. Odete está muito expressiva e alegre, e a poesia transbordando gratidão e sabedoria. Parabéns pela mãe especial.

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: