Menu de navegação de página

T e x t o s & T e x t u r a s

A máscara e o véu

ashes_image

Nestes dias de festa popular, muitos têm o costume de sair usando máscaras. As razões para isso podem ser as mais diversas. Elas podem ser mero adereço, objeto lúdico ou mesmo um disfarce. Enganam-se, muito, no entanto, aqueles que pensam que usando uma máscara escondem sua verdadeira identidade. Na verdade acontece o oposto. A escolha de determinada máscara (por que não outra?) acaba justamente revelando os traços mais significativos da personalidade do mascarado. Freud e Cia. entenderam e explicaram isso muito bem. Aquilo que esconde é justamente o que mais revela.

No teatro antigo, os atores usavam máscaras feitas de cera. É daí que vem a nossa palavra “sincero”, isto é, sem+cera. Sincero seria então aquela pessoa que não usa máscaras.

O encontro de Moisés com Javé no monte Sinai transformou-o completamente, inclusive sua aparência (cf.  Êx 34.29-35). Seu rosto se tornou radiante e por isso ele resolveu cobri-lo, de maneira um tanto suspeita, com um véu. Mas o apóstolo Paulo, muito antes de Freud, percebeu aquilo que o véu, em vez de esconder, revelava (vd. 2 Co 3.12-4.2). Cobrindo-se, Moisés queria, na verdade, esconder o fato de que seu rosto ia perdendo o brilho. O véu também revela! Aliás, as nossas palavras “velar” e “revelar” vêm justamente daí: cobrir com véu e tirar o véu.

Jesus também foi transfigurado diante dos seus discípulos mais chegados, mas não se preocupou em esconder o rosto (vd. Lc 9.28-36). Jesus não usa, não precisa e nem quer usar máscaras. Como Javé, Jesus é aquEle que É.

A partir da Quarta-Feira de Cinzas, começaremos um novo tempo litúrgico, a Quaresma, durante a qual nos havemos de preparar para a celebração da Páscoa. Esse deverá ser um tempo de deposição das máscaras, de busca da autenticidade. Aqueles e aquelas que costumam observar o ritual das cinzas, na quarta-feira, bem poderiam —em lugar de usar as cinzas dos ramos das palmeiras, como de costume— queimar suas máscaras e usar essas cinzas no ato penitencial.

Porque, quanto mais sinceros, mais humanos, e quanto mais humanos, mais radiante a imagem e a semelhança de Deus resplandecerão no nosso rosto e na nossa vida.

Reverendo Luiz Carlos Ramos
(Para o Domingo da Transfiguração e a Quarta-Feira de Cinzas, Ano C, 204)

5 Comentários

  1. Prezado Professor, louvo a Deus por sua vida e por sua sabedoria, obrigado por nos blindar com um texto tão inspirado nesse tempo de escassez exegética e discursos superficiais.

  2. Adorei esta frase: “Porque, quanto mais sinceros, mais humanos, e quanto mais humanos, mais radiante a imagem e a semelhança de Deus resplandecerão no nosso rosto e na nossa vida.” Grande e oportuna reflexão, Professor!

  3. Diante de edificantes palavras sou impulsionado a louvar a Deus por tua preciosa vida amado irmão e partilhar com muitos este alimento sustentável que de graça recebi. Fraterno abraço com saudades do meu irmão, irmão!

    • Caríssimo Lindberg, companheiro de copo e de cruz,
      Sua amizade e incentivo são um sopro alentador do Espírito do nosso bom Deus sobre a minha vida.
      Abraço terno e fraterno.
      Seu sempre,
      Luiz

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: