Menu de navegação de página

T e x t o s & T e x t u r a s

A religião das crianças

stained-glass-window-Jesus-children

A religião de Israel, curiosamente, tem início com a vocação de um casal de anciãos, Abrahão e Sara (cf. Gn 12 e 22). Penso que Deus escolheu assim porque as pessoas idosas são aquelas que mais se parecem com as crianças. A partir daí, tudo gira em torno das crianças: Isaque, sorriso tão esperado, e todos os demais que antes de serem patriarcas e matriarcas foram crianças, algumas muito levadas. Tem até aquele menino do cesto, tirado do rio Nilo, Moisés — há quem diga que ele brincava no palácio do Faraó com Amenófis, filho de Ramsés II. Juízes, sacerdotes e profetas, todos, sem exceção, foram crianças chamadas por Deus, algumas, ao que se sabe, desde o ventre materno, ou até antes disso. Conta-se inclusive que o primeiro e mais importante rei de Israel foi um menino franzino saído direto do campo onde brincava com seu estilingue e cuidava de carneirinhos e cabritinhos.

Se quiserem mais provas, sugiro que consultem as inúmeras genealogias registradas na Bíblia — a maioria dos leitores salta essa parte. Nelas (nas genealogias) descobrimos quem gerou qual criança, e quais são os pais de tal ou qual menino ou menina. A Bíblia está povoada de crianças. Inclusive o Novo Testamento começa com a seguinte frase: “Livro da genealogia de Jesus Cristo, filho de Davi, filho de Abraão” (Mt 1.1). Ademais, é só fazer o seguinte exercício: procure nos textos sagrados a expressão “filho” ou “filha” e substitua por “criança” (porque é esse o seu exato significado = cria): “Livro da genealogia de Jesus Cristo, criança de Davi, criança de Abraão”.

Ora, a criança mais importante de todas foi aquela nascida em um curral numa noite de céu estrelado. Essa criança, porque nunca deixou de ser como criança, nos ensinou que também nós devemos nascer de novo e nos tornarmos crianças, para experimentarmos o novo mundo de Deus como seus filhos e filhas, a saber, como crianças de Deus.

Reverendo Luiz Carlos Ramos

Um comentário

  1. Ahh… como é bom ser criança! Adorei a mensagem, Mestre!!

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: