Menu de navegação de página

T e x t o s & T e x t u r a s

Não tenham medo de nada!!!

 

Mateus 10.24-39 (versão de LCR)

Nenhum aprendiz está acima do seu mestre,
assim como nenhum funcionário está acima do seu patrão.
Portanto, um aluno deve julgar-se realizado
se um dia chegar a ser professor,
e o empregado, se um dia chegar a ser empregador.

* * *

Se ofendem o dono da casa chamando-o de Belzebu,
de que coisas piores não haverão de chamar os outros moradores da casa?

A despeito de tudo,
NÃO TENHAM MEDO DOS QUE QUEREM INTIMIDÁ-LOS!

Nada há encoberto que não venha a ser delatado;
e tudo o que está escondido será conhecido.
O que estou dizendo a vocês reservadamente
repitam à luz do dia.
E o que vocês ouviram em segredo
anunciem abertamente.

* * *

NÃO TENHAM MEDO DOS QUE AMEAÇAM O CORPO,
mas não podem atingir a alma.
Temam, porém, a Deus,
o único que pode extinguir no inferno
assim a alma como o corpo.

* * *

Não é mesmo verdade que, pela lógica do mercado, dois pardais não valem um centavo?
Porém nenhum deles cai sem a permissão de Deus, o Pai de vocês.
É dessa mesma forma que ele cuida de todos:

Até os fios dos seus cabelos estão todos contados!

Portanto, NÃO TENHAM MEDO DE NADA,
porque vocês valem bem mais do que muitos pardais.

* * *

Quem professar publicamente sua fé em mim,
eu também o confirmarei diante do meu Pai, que está no céu.
No entanto, quem me renegar publicamente,
eu também o negarei diante do meu Pai, que está no céu.

* * *

Não pensem que eu vim trazer paz à terra.
Não vim trazer a paz, mas a espada.
Eu vim causar divisão entre o filho e o seu pai,
entre a filha e a sua mãe, e entre a nora e a sua sogra.
E será que os piores inimigos de uma pessoa
serão os da sua própria casa.

* * *

Quem ama o seu pai ou a sua mãe mais do que ama a mim
não é digno de mim.
Quem ama o seu filho ou a sua filha mais do que ama a mim
não é digno de mim.

Quem não assume sua cruz
e se dispõe a me seguir por onde eu for
não é digno de mim.

* * *

Quem se apega à sua vida tentando economizá-la
acabará por perdê-la;
quem, todavia, desprendidamente oferece a vida por minha causa
a achará.

* * *

Quem acompanha o Lecionário se lembrará da leitura da semana passada, que apresenta a síntese da missão de Jesus: Anunciar as boas notícias a respeito do Novo Mundo de Deus e tratar dos enfermos no corpo e no espírito.

Na leitura indicada para hoje, Jesus nos relembra o princípio obvio de que um aprendiz não deve ter a presunção de se considerar melhor que o seu mentor. Se Jesus, que é Mestre e Senhor, dedicou-se à missão de anunciar o Reino e curar os enfermos, então não deve ser outro o desejo, o empenho e o compromisso dos seus discípulos e discípulas.

Com o tempo, contudo, alguns seguidores quiseram dar uma “melhorada” na proposta de Jesus e passaram a propor que as curas fossem apresentadas como demonstração de poder. Muito diferente do que fazia Jesus, que nunca curou para ostentar poder. Ao contrário, sempre que lhe pediam, ou até exigiam, um sinal de seus poderes divinos, ele se recusava a atender.

Jesus nunca curou porque tinha poder, ele curava porque sentia misericórdia, porque se compadecia das multidões que agonizavam atribuladas pela dominação, pela discriminação, pela exclusão, pela miséria, pela fome, pelo adoecimento do corpo e o apodrecimento da alma… gente que padecia numa sociedade igualmente doente, moribunda e dominada por espíritos malignos.

Sim, Jesus nunca curou por poder, mas tão somente por amor! E é por isso que toda tentativa de cura moderna na base do poder é uma farsa, porque não visa a libertação e a dignificação do ser humano, nem a sua restauração de corpo, alma e espírito, muito menos sua reinserção numa sociedade condigna. Ao contrário, curar por poder só faz reforçar os mecanismos que matam o corpo e apodrecem a alma.

O poder intimida e ameaça. Não é esse o novo mundo anunciado por Jesus.

No texto de hoje, Jesus repete três vezes que não devemos ter medo:

“NÃO TENHAM MEDO DOS QUE QUEREM INTIMIDÁ-LOS”: Isto é, não tenham medo de pessoas gritonas, que têm a boca cheia, mas a cabeça oca. Suas ações escusas, a cada pouco, vêm à tona, e suas vergonhas são logo expostas, e humilhadas se vão sem deixar saudade.

“NÃO TENHAM MEDO DOS QUE AMEAÇAM O CORPO”: Ou seja, das que, por não terem legitimidade, precisam apelar para a truculência das armas e dos instrumentos de tortura. Porque quem vive pela espada, pela espada morrerá. Mas o que vive pela fé no Novo Mundo de Deus sabe que o amor é mais forte do que a morte, e que o destino final de tudo e de todos está em mãos muito mais fortes e justas.

E, por último, Jesus diz: “NÃO TENHAM MEDO DE NADA”. Nem do acaso, nem de mandinga, nem dos maus espíritos e demônios, nem das ideologias, nem de todas essas potestades globalizadas que vagueiam pelo ar, quer seja pelas ondas de rádio ou via satélite.

Para expulsar esses demônios e a curar esse mundo doente do corpo e da alma foi que Jesus nos enviou. Não para demonstrar poder, mas para colocar no lugar um Novo Mundo segundo a vontade amorosa de Deus.

Um mundo no qual as pessoas, por serem capazes de oferecer, desprendidamente, sua vida para o bem comum, seguindo o exemplo de Jesus, haverão de achá-la, plena e saudável, no corpo, na alma e no espírito, por dentro e por fora, e na convivência condigna e harmoniosa com os seus semelhantes e com o seu Deus.

Rev. Luiz Carlos Ramos
Para o Terceiro Domingo da Peregrinação após Pentecostes
| Ano A, 2017

Um comentário

  1. Em meio a toda obscuridade em que vivemos, esta reflexão é luz. Obrigada, Luiz Carlos!
    Grande abraço!

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: