Menu de navegação de página

T e x t o s & T e x t u r a s

Profetas de nada

Ou como conhecer a palavra que o SENHOR não falou?

stained-glass-doors

Temple Mount Sinai, El Paso, Texas

Há PROFETAS e profetas. Não é tarefa fácil distinguir entre aqueles/as que falam palavras de Deus dos que são porta-vozes da sua própria soberba. Falsos profetas sempre houve. Veja-se a narrativa de Deuteronômio 18, quando, ainda no deserto, Javé designa a tarefa dos Levitas como liturgos para o servirem no culto. Na ocasião, Deus promete suscitar-lhes um profeta do meio de seus irmãos, semelhante a Moisés, em cuja boca poria as suas palavras, e ele lhes falaria tudo o que Javé lhe ordenasse (cf. v.18).

Com razão, houve quem temesse ser ludibriado:

“Como conhecerei a palavra que o SENHOR não falou?” (v.21).

Como saber se esse é mesmo o profeta de Deus?

Javé então oferece a chave para o discernimento:

“Sabe que, quando esse profeta falar em nome do SENHOR, e a palavra dele se não cumprir, nem suceder, como profetizou, esta é palavra que o SENHOR não disse; com soberba, a falou o tal profeta; não tenhas temor dele. “(v.22).

Com Jesus na sinagoga (cf. Mc 1.21-28) podemos aprender um pouco mais sobre o discernimento acerca dos falsos profetas. Ao que parece, o povo de Cafarnaum estava tão habituado com os profetas de nada, que quando ouviram um profeta com autoridade de verdade ficaram admirados. Mas não tardou para um porta-voz da sua própria soberba tentar interferir, e retomar o controle da situação. Esse profeta de nada ergue a voz e aos brados dispara:

“Que temos nós contigo, Jesus Nazareno? Vieste para perder-nos? Bem sei quem és: o Santo de Deus!” (v.24).

Daqui também podemos inferir mais alguns distintivos dos falsos profetas:

1. “Aos brados”: Em geral falam forte (gritam, muitos até ficam roucos) porque seu argumento é fraco;

2.“Que temos nós contigo?”: Seu discurso não é de compromisso mas de desintegração;

3.“Vieste para perder-nos”: Distorcem o sentido daquilo que é de Deus, neste caso, diz-se que Jesus teria vindo para perdição, quando na verdade ele veio para salvação;

4.“Bem sei quem és”: E, finalmente, os falsos profetas conhecem bem a verdade, mas preferem conscientemente distorcê-la e, portanto, agem de má fé.

A esses Jesus ordena: “Cala-te!” (v. 25).

E a nós Jesus nos ensina a sermos crentes sem sermos crédulos!

Rev. Luiz Carlos Ramos+
(4.o Dom. após Epifania, 2015)

2 Comentários

  1. Excelente.

  2. Em poucas palavras, disse tudo. O verdadeiro profeta é, assim, sucinto! Obrigada Professor!

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: