Menu de navegação de página

T e x t o s & T e x t u r a s

Sacudindo o pó

Uma palavra de despedida

end-of-your-rope

Colegas da FaTeo,

Obrigado pela oportunidade que me dão de poder despedir-me com um mínimo de dignidade.

Recentemente, Hans Küng, um dos teólogos mais proeminentes do nosso tempo, declarou em carta aberta que gostaria de ter o direito de descansar em paz, i.e, de poder decidir sobre a circunstância da sua morte. Com idade avançada e saúde muito debilitada, se vendo impossibilitado de fazer o que considera ser a razão do seu viver, escreveu ele: “Que resta a um estudioso se não é capaz de ler e escrever?” Mais ou menos o mesmo que dizer que a um professor que não pode mais lecionar nem estudar só lhe resta morrer.

Também eu morro um pouco ao ficar privado, “por conta de umas questões paralelas”, de exercer a docência na FaTeo. Aqui desenvolvi minha vocação de pastor-mestre. Na FaTeo fui pastor, presidindo os cultos semanais e integrando a equipe da Vida Comunitária, e também aqui exerci o magistério, lecionando, primeiro, Comunicação na Ação Pastoral, depois, Metodologia da Pesquisa Científica e TCC, então, Homilética e Liturgia. A essas áreas dediquei minha vida, e o doutorado foi exatamente a síntese de todo esse processo. Para mim isso não é pouco, pois deixo enterrados, nesta escola, 17 anos da minha vida.

Não obstante, quero deixar registrada a minha gratidão às pessoas que me receberam não como simples funcionário, mas como irmão caríssimo. Há muitas lembranças que levo comigo, algumas são boas e outras, nem tanto. Houve momentos de humilhação e ofensa, dos quais gostaria muito de me esquecer, mas felizmente houve outros tantos, sublimes e maravilhosos, dos quais espero não me esquecer jamais.

Tempos atrás assisti ao filme “Damit ihr mich nicht vergesst”, do diretor John Avnet, que em português recebeu o título “Um pouco de fé”. Baseado em fatos reais, o filme narra os últimos dias do rabino Albert Lewis. Aos 82 anos, o rabino finalmente decide despedir-se da sua congregação, depois de tê-la cuidado por 60 anos (ao que parece o tempo de validade dos rabinos é um pouco maior que o dos pastores metodistas). No seu último sermão, em vez de se gabar dos seus feitos, ele pediu desculpas à sua gente “por não ter conseguido salvar mais casamentos, pelos adolescentes que não tive tempo suficiente para conhecer, por fracassar em aliviar a dor de pais enlutados, por fracassar em estudar mais, porque a enfermidade e a distração me roubaram o foco, por todas essas coisas, por vocês, minha congregação, e por você, querido Deus, conceda-me redenção”. Também eu, hoje, ao despedir-me da FaTeo, peço perdão a vocês. Perdão por não ter conseguido cultivar mais carinhosamente o jardim que deveria ter sido do nosso espaço de trabalho. E, em nome da nossa amizade, por favor, concedam-me igual redenção.

Lamento menos a minha saída da FaTeo do que a maneira desrespeitosa, acintosa até, com que fui tratado pelas nossas autoridades eclesiásticas, por essa razão, ao sair, bato o pó que se me apegou aos pés, como recomendou Jesus, mas, como sugere certo p(r)o(f)eta do nosso tempo, só não lavo as mãos “e é por isso que eu me sinto cada vez mais limpo!”.

Na força da esperança,

A-Deus

 Luiz Carlos Ramos
(Última reunião da Congregação de 2013)

39 Comentários

  1. obrigado mestre, por tudo sou eternamente grato.

  2. Caro professor Luiz, agradeço a Deus pelo privilégio de ter sido seu aluno. O senhor me inspirou em sala de aula e me fez enxergar a igreja de forma diferente. Seus ensinamentos transcenderam a prática da homilética e da liturgia. Certamente, vou levá-los pra vida toda. Obrigado.

  3. Caro Facilitador do conhecimento

    Perdas e Ganhos
    Nem sempre estamos preparados para a perda, por menor e insignificante que seja, o que não é o caso. Nos preparamos para o ganho e, nem sempre nos contentamos com o que ganhamos, queremos sempre mais ou, dispensamos o que ganhamos ainda que seja de muito valor. Felizmente há muitos, centenas que sabem partilhar o ganho, no entanto, há milhares que não o fazem. Eu ganhei! Ganhei quatros anos de convivência com um professor, amigo, facilitador do conhecimento, tenho gratidão por isso. Eles “perderam” e não tem noção disso. Mas entre as perdas e ganhos ficaram as sementes que você, meu caro amigo, semeou. Nos corações férteis elas brotarão, crescerão e darão frutos e certamente, isso irá te alegrar.
    Que o Altíssimo, Senhor da vinha, lhe conceda uma grande colheita.
    Abraço
    Pr. Hott

  4. Caríssimo professor, nesse tempo de tantas mudanças que passam nossas instituições não há lugar para homens livres, sair ou ser tirado é sim uma forma de libertação dos grilhões desse novo tempo.
    Viva a liberdade! Você mora no meu coração.

    Cleber Coelho Martins

  5. Amado professor e pastor, agradeço a Deus pelo privilégio de tê-lo como meu mestre no curso de Liturgia e Música. Saiba que as sementes que foram semeadas na minha vida jamais serão arrancadas.
    Minha cosmovisão foi aprimorada e transformada através de sua instrumentalidade.
    Temos além da nossa memória vasto material que você produziu, dentre eles teleaulas em EAD, calendários litúrgicos etc. Portanto mesmo longe da FATEO você continuará semeando as vidas, alegre-se em Deus.
    Assim como já disse presencialmente algumas mudanças doloridas que ocorrem, que fogem o nosso controle, nos mostram nossa fragilidade e dependência de Deus; e que Sua vontade soberana é sempre boa, perfeita e agradável, nós apenas não estamos vendo claramente nosso futuro. Mas creio que brevemente quando você olhar para trás entenderá os motivos de Deus, pois independentemente das decisões humanas, tudo ocorre com a permissão de Deus.
    Caminhe, mesmo dolorido, com os olhos erguidos sabendo que o renovar de Deus chegará a seu tempo.
    Lembro-me do dia que nos encontramos pela primeira vez, juntamente com o meu marido, quando fomos fazer nossa matrícula na FATEO. O quanto suas sábias palavras foram importantes para nós naquele momento. E compreenda que fomos edificados pela sua vida.
    Deus abençoe tremendamente a sua vida e o seu ministério.
    Seremos sempre seus alunos. 😉

  6. Oi caríssimo Profº e Pastor Luiz, graça e paz!

    Obrigada pela mensagem acima que, sempre de forma peculiar nos faz refletir singelamente.
    Não sei se você lembrará, mas trago nesta mensagem a recordação de um sonho que partilhei contigo em uma de suas aulas: “usando a mesma caneta que você usava”. Foi um sonho significativo, pois mostrava que eu era uma aprendiz de alguém que procurava conhecer o que escreve. Meus sermões depois de suas aulas foram aprimoradas. O desafio de transmitir em aula e em auditório a mensagem de Deus, me trouxe crescimento. Obrigada novamente, pelo modo inerente que transmitiu e transmite o evangelho. Seja qual for o endereço desta missão…

  7. Luiz Carlos, estimado amigo. As instituições tem uma lógica perversa. As pessoas institucionalizadas também, o que é pior e uma grande tristeza, porque perdem a sensibilidade e e generosidade, perdem o rosto humano, desfiguram-se na coisa que as engole. Para você, meu amigo, dedico o Poeminha do Contra de Mário Quintana: “Todos esses que aí estão
    Atravancando o meu caminho,
    Eles passarão…
    Eu passarinho!” Siga seu voo da mais pura liberdade. Abraços, Marcos Alves da Silva

  8. Com lágrimas nos olhos leio estas palavras. Só gostaria de dizer que o senhor continuou a ser inspiração além Fateo para mim. Obrigada por ter dedicado tanto tempo naquele lugar, que apesar de tudo e todos/as, teu serviço foi transformador para a vida de muitos alunos e alunas, inclusive a minha Grande abraço. Forte saudade.

  9. Caro Luiz

    Nos conhecemos quando eu era aluno na Faculdade de Teologia. Tive a alegria de trabalhar contigo na equipe de liturgia, onde aprendi o fascínio pela arte do poema celebrado. Depois, fui seu aluno de homilética, momento em que nos enveredou pelos caminhos das mágicas palavras que, tecidas com paixão, despertam o que há de melhor nos corações (cutucamos com palavras a graça preveniente no interior de cada um/a).
    Nestes exercícios nos fizemos amigos, e de tantas partilhas, me descubro envolto de frutos que você semeou. Assim, nestes anos, impossível não tomar parte de suas alegrias (como quando o Luca nasceu), e também partilhar da indignação por conta de todo mal que a tirania mascarada de piedade lançou contra sua vida.
    Seguimos à capela (da Serra) plantando sonhos e reinventando-nos na rede de conspiradores/as que faz acontecer a comunidade de Jesus de Nazaré entre nós.
    Te sigo com meus pensamentos, na profecia, na poesia, na prece e no apreço. Naquela vontade indomável que, como diria Gandhi, revela a nossa verdadeira força.
    Desejo que sua vida continue marcada:
    Pelo poema da criação;
    Pela alegria da ressurreição;
    E pela inspiradora ventania de pentecostes.

    Seu irmão menor,

    Luciano

    PS: Estamos juntos…

  10. Caro professor Luiz Carlos Ramos
    Acabei de chegar de uma aula que ministrei a uma parte da liderança da igreja que pastoreio.
    Assunto? Homilética.
    Me senti muito feliz e honrada por ministrar essa aula e tentei passar para meus ouvintes um pouquinho do muito que ouvi em suas aulas.
    Louvo a Deus pelo privilégio que tive de tê-lo como professor. Seus textos, sua percepção e suas “sacadas” nos textos bíblicos são inspiradoras.
    Não tenho dúvidas de que serás bênção onde quer que fores, e lamento pela nossa faculdade que perde um grande mestre.

  11. Amado Professor, Pr e amigo, sabemos que temos direito de exprassar nossos sentimentos. Sei também que por dissermos o que sentimos sofremos punições, mas não estou nem um pouco me lixando por isso. Saiu em sua defesa como sempre fiz. Aqueles que retiraram-no da Fateo deveriam sentir vergonha pelo ato praticado.
    Seu amigo e sempre aluno Pr Novelletto. Abraço.

  12. Perdas irreparáveis como esta só me dão dois sentimentos: a gratidão pelo privilégio de ter sido parte de uma das últimas turmas que o tiveram como professor, e o lamento porque mais aluno/as da Fateo não terão a mesmo sorte.
    Desejo que encontres outros espaços que não se deixem levar por razões estranhas ao evangelho, onde possas continuar em sua tarefa que louva a beleza e a poesia da diversidade.
    Paz e bem!

  13. Meu caro professor Luiz Carlos Ramos, essa informação me causou um choque! Não sei o que realmente aconteceu para que você fosse impedido de colaborar com os seus conhecimentos e experiências num local como a Fateo! Sem diminuir os méritos dos demais docentes, você para mim é destaque! Porque, particularmente, com seu jeito especial de lidar com os alunos e com tudo que faz, você me transmitiu tanta experiência que, por exemplo, não tem um sermão de domingo que eu esteja preparando que eu não me lembre de você… dos seus cuidados em passar os ensinamentos, que não era um passar “mecânico”, mas era um transmitir com amor ao que fazia… Lembro-me da sua preocupação com cada detalhe, os mínimos possíveis, na nossa formatura… Sinto-me privilegiado por ter participado contigo, de todas as disciplinas que você lecionou… Luiz Carlos Ramos (Como pessoa ou como mestre) para mim, é uma figura viva, presente a todo instante na minha vida, em tudo que diz respeito ao meu ministério pastoral… E creio que continuará sendo assim! Ninguém irá tirar isto! E gostaria de te dizer uma coisa, meu irmão! Se a diretoria da Fateo não reconhece as suas habilidades, mesmo depois de demonstrá-las por dezessete anos, você tem a nós, alunos e alunas que conviveram contigo nesse período e que sabem da sua capacidade e da sua dedicação a essa instituição de ensino. Você tem colegas docentes e funcionários de outras áreas dessa mesma instituição que reconhecem a sua colaboração à instituição mas muito mais aos/às alunos/as que por aí passaram, e que te dão o valor que mereces. E, acima de tudo, saiba meu irmão, o que já fizeste até aqui, na sua missão, já foi registrado na eternidade, e o seu galardão não está aí na instituição, mas num lugar muito especial, com reconhecimento não humano, mas do Deus Altíssimo! O Seu ministério não foi dado por homens! Por isso, não será impedido por eles! O Deus que te chamou continuará a te guiar por caminhos excelentes que ainda não sabes! Vá com fé! Em nome de Jesus!

    Rev. Walter Teixeira / Itabuna-Ba.

  14. Lembra da história contada com maestria pelo Rubem Alves, Luiz? “Se é bom, se é mau, só o futuro dirá.” Tenho certeza que o futuro dirá aos que o demitiram dessa forma injusta, desumana e anticristã e aos que se omitiram na sua defesa que isso foi muito mau.

  15. Querido Luiz Carlos Ramos, sabe que o admiro desde os tempos do Seminário Presbiteriano do Sul. Tenho registradas em minha mente pelo menos duas pregações suas, enquanto estudante que foram bênção em minha vida. A convivência no ministério confirmaram minha percepção acerca de todas as qualidades e dons que a sua vida tem para oferecer ao Corpo de Cristo.
    Pena que os dias são maus, tanto aí como cá.
    Que o Senhor de toda esperança abençoe a sua vida e seu ministério, abrindo novas portas para o serviço no Corpo de Cristo.
    Abração!

  16. Sabemos da sua capacidade Mestre; ninguém irá apagar o seu legado,sistema nenhum ofuscará seu brilho.
    Que o Altíssimo continue a te abençoar.

  17. Luis,
    Colega de Seminário do Sul, companheiro de CEBEP, amande da liturgia e das artes, enamorado dos poetas e amigo dos p(r)o(f)etas. Não tenho nada a dizer, apenas que você pode se despedir depois de te despirem da alegria de compartilhar um pouco do que o criador deixou bafejado na sua vida. Depois da alegria de derramar por vinte anos o prazer de ensinar no Seminário Presbiteriano, fui abençoado pelo criador pela oportunidade de na quase morte redesenhar a vida, e ao mesmo tempo os homens que se chamam pelo seu nome se ocuparam de redesenhar um quadro “mais puro” sem nem obrigado dizer. Mas, tenho redescoberto nas salas de aula da vida e dos cafés um novo espaço para sonhar teologia e em inusitados lugares um lugar para aprender/ensinar a fazerfazer culto.
    Beijo. Jouberto Heringer

  18. Luiz: Choramos por você, pela FATEO, pelos alunos que perdem a oportunidade de aprender e conviver com você, choramos pela moribunda Igreja Metodista no Brasil e choramos também pela memória de João Wesley…

  19. Caro irmão, amigo, companheiro, Luiz Carlos Ramos, são emocionantes, sinceras e verdadeiras suas palavras. A tristeza e a dor de uma separação como esta que aconteceu, certamente serão compensadas, pois haverá de colher os frutos alegres de seu trabalho (como as manifestações já o comprovam).

  20. Caro Mestre. Em um dos desertos deitaram uma semente de fruta. Ali era angustiante, pouca água, muito calor durante o dia e frio as noites, solitárias. Brotou, mesmo assim os viajantes a despresaram-na. Cresceu, e valor algum tinha. Quando surge as primeiras ramas de flores, muitas queriam seus galhos, para simplesmente usarem e colocarem em um vazo, para que refletisse o próprio conforto. De outros surgem frutos, e todos que passam atiram pedras, paus, tentando derrubar um daqueles frutos. A árvore vingou, frutificou, produziu. De maneira que nem ela sabe o que produziu. Obrigado Professor, eu sou fruto de seu trabalho na FATEO.

  21. Não agradeço como aluno, pois nunca tive essa oportunidade. Agradeço como igreja, como comunidade de fé, como região, que sempre foi muito inspirada e abençoada pelas suas produções que extrapolavam os muros da Faculdade de Teologia. Afinal, é para isso que a Fateo existe, não? Que o sagrado continue inspirando novas frentes e caminhos, na certeza que um dia todo pecado, toda mentira, todo plano desesperado do poder pelo poder, irá cair. Caminhamos sob o calor desse Sol, que já podemos ver despontar no horizonte!

  22. Caro professor! Eu e minha esposa pra. Cristiane Capeleti, desejamos que este novo tempo seja de alegria e aprendizado. Posso dizer, pois fui seu aluno, que com certeza novas portas se abrirão para o exercício da docência. Competência e conhecimento não lhe faltam! Deus lhe abençoe! Com carinho e respeito, Ronald.

  23. Prof. Luiz Carlos Ramos, faço minha as palavras do Anivaldo Padilha, a sua demissão abrilhanta ainda mais o seu extenso curriculo,e mostra a verdadeira face e enche de escuridão aqueles que o demitiram! Viva o dialogo ecumenico. Viva Luiz Carlos Ramos!

  24. Luiz amigo, vc é hj o grande liturgo do protestantismo brasileiro e latino americano. É uma referência para todos nós. É continuará sendo, a despeito de qualquer coisa. Que triste igreja, que igreja triste, capaz de dispensar um dos quadros mas criativos do seu corpo docente-pastoral! Para a Igreja Cristã de Ipanema, da qual sou pastor há 22 anos, sua produção liturgico teológica sempre foi e será aquele velho novo maná caindo poeticamente do céu. Obrigado irmão!
    Edson ( Lampreia)

  25. Querido Colega Luiz Carlos,
    A nossa igreja entrou na época das trevas. As trevas odeiam a luz que você representa. Com esta demissão você entra na linha de esplendor sem fim dos heróis da fé que tem sido luz para milhares, mas descriminado pelos que detém o poder institucional. Você e a luz que você representa serão lembrados, enquanto aqueles que agem pela força serão esquecidos com a passagem do tempo. Que Deus o abençoe lhe dando força para continuar ser uma luz que brilhe nas trevas.
    Derrel Santee, pastor missionário aposentado

  26. Abraço Professor e gratidão a Deus por me conceder a graça de ter sido seu aluno.

  27. Caro Prof. Luiz Carlos Ramos, não sei dos detalhes de sua saída da FaTeo, e sinceramente…nem quero saber. Quero agradecer-lhe mais uma vez pela dedicação em ensinar-me a beleza de uma liturgia bem preparada, inspiradora, com conteúdo que muitas vezes transbordou meu coração quando estudante de teologia na instituição e nos cultos da Comunidade Academica. Seus textos sempre foram um alento, em meio a falta deles. Espero que sua produção não cesse, e muito menos diminua seu amor pelo Senhor. Aprendi nesta minha jornada, que nada do que nos aconteceu ou acontece tem haver com os outros, o diálogo sempre será entre ti e o Senhor, tão apenas isso. Bençãos do Senhor Jesus estejam de contínuo sobre ti e tua casa, que seu coração se encha de esperança pelos novos rumos que irás trilhar. Foi um privilégio ter sido sua aluna. Com elevada estima e apreço, deixo um abraço fraternal.

  28. Luiz Carlos, sou somente um admirador à distância, nem tenho muito o que dizer a você que já não tenha sido dito de forma muito melhor. Mesmo assim, quero dizer que sinto muito que as coisas sejam assim, não deveriam ser. Deixo, pelo menos, meu nome próximo aos que sofrem, não aos que causam o sofrimento.

  29. Meu mestre querido, isso não é o fim, é o começo. Muitos outros meios e lugares haverá para continuar a exercer sua vocação e deixar marcas tão positivas em nossas vidas. O seu blog é um deles. A minha admiração pela sua elegância e ternura que gostaria de ter só um pouquinho, mas sei que só as almas grandes possuem.

  30. Minha gratidão pela sua voc(ação) e por ter deixado marcas positivas inesquecíveis em minha vida acadêmica e cristã. Bom chamá-lo de amigo! Conte comigo para o que precisar e quando precisar vir em Campina Grande – PB, minha casa está de portas abertas para você!

  31. Professor, foi uma honra enorrrrmmmme ter vc como professor e sei q perderemos muito com a sua saída. Fico triste por saber que outras pessoas que passarem pela Fateo nao terão a oportunidade que eu tive de ter um grande mestre. Desejo q esse novo tempo seja extremamente frutifero, sacuda mesmo a poeira pq Deus tem muito mais pra vc. Sentirei mts sdds

  32. Un gran abrazo desde Chile con toda nuestra solidaridad y oraciones, permitame traducir su carta para compartirla con sus alumnos y alumnas chilenas quienes tienen los mejores recuerdos de sus enseñanzas y amistad sincera compartida durante el inviernos recien pasado, nuestro saludo tambien para su querida esposa e hijo.
    Rachel

  33. O Prof. Dr. Luiz Carlos Ramos é uma das maiores expressões da Homilética, não só no Brasil, mas na América Latina e em todo o mundo. Ele é membro fundador e presidente da Rede Latino Americana de Homilética – RedLAH. Todos os seus escriitos e falas sobre pregação e luturgia são de valiosíssimo conteúdo.
    Tenho a honra de ter um dos meus livros (Homilética, do ouvinte à prática) prefaciado por ele; também tive o privilégio de ter um homileta do seu quilate como membro da Banca Examinadora, na EST, para o notório saber. Não dá para falar em excelência homilética sem que o nome LUIZ CARLOS RAMOS seja mencionado.
    Certamente Deus tem grandes planos para Luiz Carlos Ramos. Perdem aqueles que agem deixando de lado os interesses do Reino. Prossiga, meu amigo Luiz Carlos. Não diria que o futuro revelará a sua obra: O seu trabalho está diante de todos nós. Quem tem olhos para ver veja.

  34. Querido amigo, irmão e companheiro Luiz Carlos Ramos. Muito obrigado por esse emocionante texto. Não é uma simples carta de despedida. Eu o Interpreto como um libelo contra o obscurantismo que se apoderou dos bispos metodistas. Desde 2006 que sabíamos que um dos objetivos principais da nova (?) liderança da igreja era o de intervir na Fateo e meter a mão nas instituições educacionais da Igreja Metodista. Era só uma questão de tempo. Como alguém que passou por situação semelhante há quase 50 anos, sei o que você está sentindo. Uma das diferenças entre o que aconteceu no meu tempo e agora é que naquela época vivíamos sob uma ditadura sanguinária. Os bispo se acovardaram e decidiram demitir os “comunistas”, certamente para agradar a ditadura. Hoje, não há nenhuma força exta-ecclesia a exigir isso. A força está nas mentes e nos corações de uma geraçào episcopal que perdeu a vergonha de ser retrógada e também de mostrar que o que lhes interessa é o poder pelo poder. E uma das coisas que mais incomodam os retrógados e obscurantistas e ter que se confrontar com pessoas inteligentes e brilhantes como você. Por isso, apesar da dor que certamente essa situaçào lhe causa, não se preocupe. Sacode a sandalha, livre-se da poeira maldita dos pés e saia de cabeça erguida como voc6e está fazendo. Essa demissão é mais um item extremamente positivo em teu currículo. Ela desqualifica a integridade teológica, pastoral e intelectual dos que decidiram pela tua demissão. Fique certo de que em algum momento, você terá preparada “uma mesa na presença dos teus inimigos e o teu cálice transbordará”. Enquanto isso, tenho certeza de que você seguirá o caminho que sempre trilhou e que nos encontraremos com frequência nas diversas frentes de luta por direitos, como tem acontecido nas últimas décadas. Tenho certeza de que falo em nome de centenas de pessoas que têm convivido com você tanto no meio metodista quanto no movimento ecumênico. Um grande abraço solidário. Anivaldo Padilha

  35. Caro amigo, caminhamos pouco tempo juntos na lida acadêmica, mas nesse pouco tempo aprendi a respeita-lo como pessoa, profissional, estudioso e homem de Deus. Percebi a incompreensão de muita gente, por causa dos modelos de espetáculo que assumiram o lugar do culto a Deus. Assim, vejo na sua saída a perda cada vez mais clara da identidade metodista, da piedade ilustrada que marcou por séculos essa instituição, que agora está a serviço dos homens e não de Deus.
    Me solidarizo com você, também tendo vivido experiência de afastamento compulsório. Circunstâncias diferentes, mas no fundo a mesma questão: o ser humano não interessa, só interessa agradar aos que estão no poder.
    GRande abraço e visão no horizonte, onde a vida ganha proporção e a esperança se alarga.
    Prof. Marcelo Carneiro.

  36. Sim, Luiz Carlos, você precisa de perdão, mas só porque todos precisamos. A questão é que só o recebe quem humildemente o pede. Então você já o recebeu. Mas aparentemente não é este o caso de quem o humilhou. Por estas pessoas – nem sempre dignas do pronome “reverendíssimo” – devemos interceder no Espírito de Cristo Jesus, para que percebam ao passar do tempo sua equivocada atitude. Quem sabe se voltem sobre si mesmas e se arrependam e peçam perdão para que o recebam? Sérgio Marcus Pinto Lopes.

  37. texto bonito, emocionado, sincero, honesto e claro, que só as pessoas comprometidas com a vida (sua e da humanidade) tem o direito de escrever. Parabéns Luis pela etapa concluida e coragem para enfrentar as muitas que ainda virão. Abraço fraternal.
    francisco carbonari

  38. Amado Pr. Luiz Carlos Ramos, caríssimo colega, paz seja contigo e familiares. Li atentamente tua despedida da faculdade e senti uma ponta de tristeza, pois, tive o privilégio de conviver contigo enquanto pastor na IM, e sei o quanto dedicavas a realizar um trabalho de excelência. Infelizmente, algumas atitudes dos que dominam em patamares superiores são de difícil interpretação quando o objetivo está focado na missão. Sei que isso pode abalar qualquer pessoa que leva a sério seu trabalho e se depara com limitações sem sentido aparente. Porém, não tenho dúvida que vc dará a volta por cima e seguirá teu caminho com honradez. Desejo paz ao teu coração e sucesso nas empreitadas a seguir. ABRACOS do amigo e colega – Pr. Edson

  39. ;~

Deixe um comentário

%d blogueiros gostam disto: