Menu de navegação de página

T e x t o s & T e x t u r a s

Educação ambiental

Se somos jardineiros, feitos do mesmo material que o jardim. Se de fato somos a própria Terra que adquiriu consciência. Então, isso significa que se agredimos o planeta é sintoma de que temos graves tendências suicidas.

O admirável indigenista Ailton Krenak disse há poucos dias numa entrevista que a natureza está tentando se desvencilhar de nós, seres humanos, para poder seguir seu caminho. 

E o educador Rubem escreveu Certa vez:

«Penso que a natureza sonha. Montanhas, florestas, mares, ares, rios, lagos, nuvens, cachoeiras, animais, flores – todos sonham um mesmo sonho. Sonham que chegará o dia em que os seres humanos desaparecerão da face da Terra. Pois os dinossauros não desapareceram? Quando isso acontecer será a felicidade! A natureza estará, finalmente, livre dos demônios que a destroem. A natureza, então, tranquilamente, sem pressa, se curará das feridas que lhe causamos.»

Diante dessa consciência, temos duas alternativas: 

Ou seguimos como estamos, rumo ao extermínio da raça humana ou damos ouvidos aos clamores da natureza e nos reconciliamos com ela.

A natureza, diferente dos humanos, é generosa e amorosa. Não é à toda que costumamos nos referir a ela como “Mãe Natureza”.

Como todas as mães, a Terra também nos quer felizes e saudáveis. Cometer matricídio é considerado um dos crimes mais hediondos em todas as culturas do mundo.

Na língua dos povos originários dos Andes centrais, a palavra que usam para se referir à terra como entidade sagrada é Pachamama: Mãe Terra.

Representa o sentido da vida, o nascimento, a maternidade e a proteção da Terra e de seus filhos que nela habitam.

Diz uma lenda Inca que a Pachamama sorri enquanto dá a luz a um bebê também cercado pela felicidade. Mas que, conquanto generosa e protetora, essa mãe também pode se enfurecer ao ser ofendida.

As gerações que nos precederam nos ensinaram que a natureza é como uma gôndola do supermercado da qual podemos nos servir para nosso conforto pessoal. Podemos ferí-la à vontade, que ela não sente nada. Não tem sentimentos, nem consciência.

Chegou a hora de rompermos com essa falta de educação e abraçarmos a verdadeira educação ambiental. A mãe natureza, a pachamama, sente, sim, e se ressente.

Cuidar da Terra é cuidar da Vida. Cuidar do planeta é cuidar de nós mesmos: cuidar das plantas, cuidar da água, cuidar do ar, cuidar de tudo que vive.

Como canta o poeta:

«Tudo o que move é sagrado […] Sim, todo amor é sagrado.»

Amar é cuidar! 

Bons estudos!

Luiz Carlos Ramos

Um comentário

  1. Muito triste o que a ser humano, como coroa da criação, deveria zelar pelo planeta. Ao contrário, a despeito de um crescimento de indústria, destruição de áreas antes intocáveis, hj assistimos os zeladores de Deus or de encontro à missão de cuidar do meio ambiente e toda natureza disponibilizada para nosso domínio. Nossa esperança que, mesmo cuidássemos como deveríamos, ele terminará com a vinda de Jesus e toda descrição do derretimento do universo será irrevogável. Mesmo com essa sentença, deveríamos cuidar de toda obra do Senhor para nosso desfrute até aquele dia. O ser humano sempre querendo ser Deus e o substituir na plena consumação dos dias cujos dia e hora não sabemos.

Deixe uma resposta para RICARDO SILVA SANTOS Cancelar resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: