Menu de navegação de página

T e x t o s & T e x t u r a s

O Natal é vida com Jesus!

| Igreja Metodista em Pirassununga, 23 dez 2018, 10:00 h.

| Quarto Domingo do Advento:
| Miqueias 5.2-5a| Lucas 1.46b-55 ou Salmo 80.1-7| Hebreus 10.5-10| Lucas 1.39-45, (46-55)

| Natal:
| Isaías 9.2-7| Salmo 96| Tito 2.11-14| Lucas 2.1-14, (15-20)
| Isaías 62.6-12| Salmo 97| Tito 3.4-7| Lucas 2.(1-7), 8-20
| Isaías 52.7-10| Salmo 98| Hebreus 1.1-4, (5-12)| João 1.1-14

NO PRINCÍPIO A PALAVRA VIROU LUZ E ESTRELA, SOL E LUA

♫ Prelúdio: A comunidade permanece em oração

Intróito: Cf. Jo.11-14

No princípio, tudo era escuridão
e o universo estava mergulhado em trevas
e se escondia nas sombras.

Mas havia a Palavra… e o Amor.
E por amor a palavra se fez Luz e Estrela, Sol e Lua.

Ó luz do Senhor que vem sobre a terra
Inunda meu ser, permanece em nós.

Saudação e acolhida: Boas-vindas

O Natal Chegou: Participação das crianças

A palavra se fez luz:

Sim, a Palavra se fez sol para conduzir o dia (Gn 1.16),
lua e estrelas, para governar a noite;
porque o seu amor dura para sempre. (Sl 136.9)

Olhem para o céu e vejam as estrelas.
Quem foi que as criou?

Foi aquele que as faz sair em ordem como um exército;
ele sabe quantas são e chama cada uma pelo seu nome.

A sua força e o seu poder são tão grandes,
que nenhuma delas deixa de responder. (Is 40.26)

Sim, foi ele quem resolveu quantas estrelas deviam existir
e chama cada uma pelo nome. (Sl 147.4)

Deus reuniu as estrelas em grupos:
a Ursa Maior, as Três-Marias e as Sete-Cabrinhas[*],
e fez também o Cruzeiro do Sul. (Jó 9.9)

Deus está nas alturas do céu;
ele olha para baixo e vê as estrelas,
embora elas estejam lá no alto. (Jó 22.12)

Na manhã da criação, as estrelas cantavam em coro,
e os servidores celestiais soltavam gritos de alegria. (Jó 38.7)

Oh! vinde, fiéis, triunfante, alegres,
Sim, vinde a Belém já movidos de amor;
Nasceu vosso Rei, lá do Céu prometido,
Oh! Vinde, adoremos a nosso Senhor!

Nos Céus adorai-o, vós, anjos em coro,
E todos na terra lhe rendam louvor;
A Deus honra e glória contentes rendamos;
Oh! Vinde, adoremos a nosso Senhor.

ANTES QUE A LUZ DO SOL, DA LUA E DAS ESTRELAS PERCA O SEU BRILHO

O que você conhece das estrelas?

Será que você pode amarrar com uma corda
as estrelas das Sete-Cabrinhas
ou soltar as correntes que prendem as Três-Marias?
Você pode fazer aparecer a Estrela-d’Alva,
ou guiar a Ursa Maior e a Ursa Menor?
Você conhece as leis que governam o céu
e sabe como devem ser aplicadas na terra? (Jó 38.31-33)

Sabendo tão pouco, como podemos ser tão presunçosos?

Antigamente você pensava assim:

“Subirei até o céu e me sentarei no meu trono, acima das estrelas de Deus. Reinarei lá longe, no Norte, no monte onde os deuses se reúnem. Subirei acima das nuvens mais altas e serei como o Deus Altíssimo.” (Is 14.13-14)

Mas bastam uns poucos dias nublados para nos lembrarmos de como somos pequenos e frágeis.

Houve uma ocasião na qual, durante muitos dias não pudemos ver o sol nem as estrelas, e o vento continuava soprando forte. Finalmente perdemos toda a esperança de nos salvarmos. (At 27.20)

Por isso mesmo, lembre-se do Criador antes que chegue o tempo em que você achará que a luz do sol, da lua e das estrelas perdeu o seu brilho e que as nuvens de chuva nunca irão embora. (Ec 12.2)

Quando olho para o céu, que tu criaste, para a lua e para as estrelas, que puseste nos seus lugares — que é um simples ser humano para que te lembres dele? Que é um ser mortal para que te preocupes com ele? (Sl 8.3-4)

Eis dos anjos a harmonia!
Cantam glória ao rei Jesus.
Paz aos homens! Que alegria!
Paz com Deus em plena luz.

Ouçam povos exultantes,
Ergam salmos triunfantes,
Aclamando seu Senhor,
Nasce Cristo, o Redentor.

Toda a terra e os altos céus
Cantem sempre glória a Deus!

Brilhemos como as estrelas:

Vivemos em meio a sombras espessas, cercados de densas trevas… talvez a nossa seja a única luz de Deus que os que nos cercam ainda podem vislumbrar. Portanto:

Façamos tudo sem queixas nem discussões para que não tenhamos nenhuma falha ou mancha. Sejamos filhos e filhas de Deus, vivendo sem nenhuma culpa no meio de pessoas más, que não querem saber de Deus. No meio delas é que devemos brilhar como as estrelas no céu, entregando a elas a mensagem da vida. (Fp 2.14-16)

Muitos vivem nas sombras, ansiosos por essa luz. Por essa razão é tão importante a mensagem anunciada pelos profetas.

Fazemos bem em prestar atenção nessa mensagem. Pois ela é como uma luz que brilha em lugar escuro, até que o dia amanheça e a luz da estrela da manhã brilhe no nosso coração. (2Pe 1.19)

No humilde presépio, sem ter nada seu,
Jesus, pobrezinho, sem teto nasceu.
Os céus, estrelados, fulgentes de luz,
Visitam o meigo e divino Jesus.

Desejo a teu lado viver, meu Senhor,
Amar-te e servir-te, Jesus, Salvador.
A teus pequeninos vem sempre guardar
Fazendo-nos todos contigo morar.

SÓ QUEM AMA PODE TER OUVIDO CAPAZ DE OUVIR E DE ENTENDER ESTRELAS

Vimos a sua estrela:

A Estrela da Manhã visitou o mundo.

Mas preferiu desviar dos centros do poder político, econômico, militar e religioso, para pousar na periférica Belém, onde viviam modestos camponeses e pacíficos cuidadores de ovelhas;

errou o Palácio e o Templo de Herodes, e aterrissou num curral;

ignorou imperadores e reis e escolheu manifestar a plenitude da sua glória num meigo bebê.

Jesus nasceu na cidade de Belém, na região da Judeia, quando Herodes era rei da terra de Israel.

Nesse tempo alguns homens que estudavam as estrelas vieram do Oriente e chegaram a Jerusalém. Eles perguntaram:

— Onde está o menino que nasceu para ser o rei dos judeus? Nós vimos a estrela dele no Oriente e viemos adorá-lo. (Mt 2.1-2)

Homens que estudavam as estrelas…
escutavam as estrelas…?

««
ra (direis) ouvir estrelas! Certo
Perdeste o senso!” E eu vos direi, no entanto,
Que, para ouvi-las muita vez desperto
E abro as janelas, pálido de espanto…

E conversamos toda noite, enquanto
A Via Láctea, como um pálio aberto,
Cintila. E, ao vir o sol, saudoso e em pranto,
Inda as procuro pelo céu deserto.

Direis agora: “Tresloucado amigo!
Que conversas com elas? Que sentido
Tem o que dizes, quando não estão contigo?”

E eu vos direi: “Amai para entendê-las!
Pois só quem ama pode ter ouvido
Capaz de ouvir e de entender estrelas.
»»

(Ouvir Estrelas, Olavo Bilac)

No caminho viram a estrela, a mesma que tinham visto no Oriente. Ela foi adiante deles e parou acima do lugar onde o menino estava. Quando viram a estrela, eles ficaram muito alegres e felizes. (Mt 2.9-10)

Ofertório:

Você já pensou no natal?
Não há noite igual a esta!
Céu e terra estão em festa,
Um menino nos nasceu
Lá em Belém um dia
Na pureza de Maria.

Mas a razão do natal
Não é banquetes,
Nem enfeites reluzentes,
Nem a troca de presentes,
Nem comida e nem bebida!

O natal é vida!
O natal é vida com Jesus!

Pois onde houver um irmão
Em cuja a mesa falte o pão
Neste mundo desigual
A mensagem do Natal
É repartir nossa alegria
P’ra que o irmão também sorria!

A PALAVRA SE FEZ LUZ E ESTRELA, SOL E LUA E, POR FIM, SE FEZ CRIANÇA

E a luz se fez criança:

E a Palavra que por amor se fizera luz e estrela, sol e lua, finalmente se fez criança, e habitou entre nós cheia de ternura e bondade, que é a maior de todas as verdades. (Jo 1.14)

Aquele bebê era diferente, porque nunca deixou de ser criança.
Mesmo depois de crescido, adorava estórias sobre ovelhas e desertos; sementes e semeadores; pardais e lírios silvestres; pombas e serpentes; castelos de areia, vento, chuva e inundações; raposas, arados e funerais; caçadores de tesouros e de pérolas preciosas…

Desenvolveu olhos e ouvidos capazes de escutar, não só o sol, a lua e as estrelas, mas também outros elementos do céu e da terra, que anunciam que o verão está próximo e o novo mundo de Deus, às portas. Esse menino lavrava nossa terra com seu arado amarrado nas estrelas.

Por isso…

Nós te saudamos e acolhemos em nosso coração,
ó eterna criança nascida em Belém.

Deus de Deus, Luz de Luz!

Celebramos aquEle a quem os céus não podem conter,
contudo aconchega-se no calor dos braços humildes da humanidade;

AquEle que, sendo o Senhor do universo,
hospeda-se em uma modesta estrebaria;

e, tendo a história nas mãos,
dorme tranquilo numa rústica manjedoura.

Que a tua estrela nos aponte o caminho;
que para toda gente haja paz e não falte o pão.

Envia o teu Sol sobre nós neste Natal
e no advento de cada novo dia.

Que a luz de Cristo brilhe
Nos envolva em amor
E que o seu poder nos venha proteger

P’ra sempre, e sempre, e sempre
Amém!

Despedida:

Aos que conseguirem a vitória
e continuarem a fazer até o fim a minha vontade
eu [Jesus] darei a mesma autoridade que recebi do meu Pai:
[…] Eu lhes darei a estrela da manhã. (Ap 2.36-38)

 

Liturgia preparada pelo Rev. Luiz Carlos Ramos

Ilustração:
Pixabay – CC0 Creative Commons – Grátis para uso comercial  Atribuição não requerida

[*] Plêiades, as sete estrelas da constelação de Touro.

Um comentário

  1. Parabéns professor! Bela liturgia. Espero um dia ser capaz de construir algo tão teopoético assim.

Deixe uma resposta para Everton Cancelar resposta

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

%d blogueiros gostam disto: