Menu de navegação de página

T e x t o s & T e x t u r a s

Pacifista sempre, pacificado, nunca!

(Lucas 12.49-56)

brasil-violencia

A Pax Romana era algo parecido com o processo de pacificação das favelas do Rio. A seu modo, promovia a aproximação entre a polícia e a população em todo o Império Romano.

Tal pacificação pressupõe quatro fases: Conquista ou Retomada, Estabilização, Ocupação definitiva e Pós Ocupação. O que garante tal pacificação é a força bruta e o poder de polícia. Para isso, os romanos espalhavam seus exércitos e plantavam seus soldados por todas as áreas ocupadas.

Qualquer que ameaçasse a “paz”, era logo “pacificado”. E seus métodos de pacificação incluíam ameaças, prisão, tortura e a pena capital.

Ora, os cristãos conquanto pacifistas, não eram tidos por pacificados.

Ao contrário, eram considerados uma ameaça à estabilidade do império, e com alguma frequência, após denunciados, os cristãos passavam a ser ameaçados, perseguidos, presos e condenados à pena de morte, sob a acusação de que:

“Estes que têm transtornado o mundo chegaram também aqui.” (At 17.6)

Quando Jesus diz:

“Não pensem que vim trazer paz à terra” (Lc 12.51),

era à Pax Romana que ele se referia. Isso se confirma porque em outro lugar ele afirma:

“Deixo-vos a paz, a minha paz vos dou; eu não vo-la dou como o mundo a dá.” (Jo 14.27).

A paz de Jesus não é a Pax Romana, mas o Shalom de Deus. Não é pacificação pela repressão nem pelo poder de polícia. É a paz profunda que resulta da justiça plena. Uma paz que não se obtém com lanças ou fuzis, mas com a consciência do Novo Mundo de Deus:

“Não por força nem por violência, mas pelo meu Espírito, diz o Senhor dos exércitos.” (Zc 4.6)

Curioso notar que quem diz isso é o “Senhor dos Exércitos”. Esse Deus é um general bem estranho, que prefere vencer a guerra não com os canhões da morte, mas com o vento da paz.

No entanto, o Shalom praticado por Jesus não impediu que ele mesmo e os que seguiram seus passos fossem traídos e perseguidos pelos seus amigos mais próximos, e até mesmo pelos da sua  própria casa.

Contudo os que permaneceram fiéis ao Shalom de Deus foram capazes de, a despeito de tudo, amar até os seus piores inimigos, como fizera Jesus.

Talvez por isso a história não tenha sido ainda mais violenta.

E é esse testemunho que mantém um pouco do que se chama cristianismo em pé ainda hoje, não obstante estejamos tão distantes do Espírito da Paz do Novo Mundo de Deus.

“Bem-aventurados os pacificadores, porque serão chamados filhos de Deus.

Bem-aventurados os que sofrem perseguição por causa da justiça, porque deles é o Reino dos Céus.

Bem-aventurados sois vós quando vos insultarem, e perseguirem e, mentindo, disserem todo o mal contra vós, por minha causa.

Exultai e alegrai-vos sobremaneira, pois é esplêndida a vossa recompensa nos céus; porque assim perseguiram os profetas que viveram antes de vós.” (Mt 5.10-12)

Um cristão é sempre um pacifista, mas pacificado, nunca!

Rev. Luiz Carlos Ramos
Para o Décimo Terceiro Domingo da Peregrinação após Pentecostes, Ano C, agosto de 2016

2 Comentários

  1. Fantástico!
    Sem palavras.

  2. Excelente reflexão professor

Deixe uma resposta para Agmar Gonçalves Venãncio Cancelar resposta

This site uses Akismet to reduce spam. Learn how your comment data is processed.

%d blogueiros gostam disto: